Novidade regra do Twitter que permite compartilhar teor hackeado não se aplica a todos

Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

Receba os artigos diretamente no seu email


Novidade regra do Twitter que permite compartilhar teor hackeado não se aplica a todos 1



O Twitter alegou que estava voltando detrás na noite de quinta-feira (15) e não iria mais proibir os usuários de tuitar links para sites contendo material hackeado — desde que os próprios hackers não fossem os responsáveis ​​pelo compartilhamento. “Não removeremos mais teor hackeado, a menos que seja diretamente compartilhado por hackers ou por aqueles que agem em conjunto com eles”, disse o mentor universal do Twitter, Vijaya Gadde.

A decisão — uma resposta ao alvoroço conservador sobre o bloqueio de um cláusula difamatório não verificado, contraditório e pleno de erros sobre um candidato presidencial semanas antes de uma eleição — teria deixado as políticas do Twitter mais alinhadas com a forma porquê a lei dos EUA trata os jornalistas que republicam material roubado: geralmente (mas nem sempre) seu recta de publicar é protegido, desde que eles não estejam envolvidos no roubo.

A movimentação do Twitter para modificar as regras está ligada a um caso envolvendo Joe Biden, candidato à presidência dos EUA, e seu fruto Hunter Biden. Na quarta-feira (14), o New York Post publicou uma material controversa com capturas de tela de e-mails que teriam sido supostamente enviados por Hunter Biden marcando um encontro entre um executivo ucraniano e seu pai — na era, vice-presidente dos EUA. O material divulgado teria sido obtido de um laptop de Hunter que estava no conserto.

Infelizmente, a decisão do Twitter de suprimir a regra está sendo aplicada de forma desigual, o que também não é nenhuma surpresa. A regra em si nunca foi administrada de forma justa. O melhor exemplo óbvio do Twitter aplicando seletivamente a regra é o WikiLeaks, que existe exclusivamente para publicar segredos roubados, muitos, se não a maioria, furtados eletronicamente.

Se um repórter tivesse enviado um e-mail a um porta-voz do Twitter na semana passada perguntando se as plataforma exclui contas que espalham e-mails hackeados, o porta-voz teria dito “sim, excluímos” e enviaria um link para as regras da empresa. Mas se o mesmo repórter perguntasse: “Muito, e todos aqueles e-mails democratas roubados de 2016?” o porta-voz teria se longínquo silenciosamente de seu teclado e talvez saído para fumar.

Foi exatamente logo que o Twitter me respondeu em junho, quando decidiu impedir os usuários de compartilhar links para o site ddosecrets.com. O site, dirigido por vários jornalistas e ativistas de transparência que...

operam sob o nome de DDoSecrets, ainda é proibido pelo Twitter, embora o CEO Jack Dorsey tenha afirmado que fazer isso é “falso”. (Vá em frente e tente você mesmo postar um link deles para conferir.) O Twitter também baniu a conta @DDoSecrets, e ela continua banida até hoje.

O Twitter tomou medidas agressivas contra o DDoSecrets por publicar um dos maiores repositórios de arquivos vazados das autoridades legais dos EUA — muro de 270 gigabytes de documentos de mais de 200 departamentos de polícia que datam de 1996.

A maior secção, que inclui coisas porquê manuais de treinamento desatualizados e velhos boletins do FBI são completamente benignos, para não expressar completamente entediantes. Enfim de contas, o delito diminuiu e 90% da tarefa de ser policial é aprender a mourejar com o traje de permanecer sentado sentado o dia todo.

Em seguida o pregão do Twitter na quinta-feira, perguntei por que a conta @DDoSecrets ainda estava suspensa e por que os usuários ainda estão proibidos de postar links em seu site. O Twitter não respondeu. Nem mesmo para me expor que estava “trabalhando nisso”.

Também perguntei por que o Twitter proibiu os usuários de tuitar links para outro site do DDoSecrets, AssangeLeaks.org, que não contém nenhum material roubado ou hackeado. De entendimento com Lorax Horne, o editor do site, o Twitter proibiu a URL quando a página exibia zero além de uma relato regressiva. Hoje, ele oferece exclusivamente links para registros de bate-papo de 10 anos — potencialmente evidências que o governo dos EUA está usando no caso de extradição do fundador do WikiLeaks, Julian Assange.

“Não, eles não foram hackeados”, disse Horne sobre os registros de bate-papo. Sem sucesso, o DDoSecrets entrou com vários recursos buscando esclarecimentos sobre porquê as regras do Twitter são aplicadas.

“Eles bloquearam todo o nosso site e todos os sites subsequentes que publicamos”, disse Horne. “O Reddit também bloqueia nossa URL agora. Mas o Twitter nos bloqueou primeiro, logo ganha um troféu peculiar.”

O silêncio do Twitter é presumivelmente o resultado de já ter conseguido o que queria: uma série de manchetes esta manhã declarando um pouco que é simplesmente falso.

Novidade regra do Twitter que permite compartilhar teor hackeado não se aplica a todos 2Conquista de tela: Google News



Fonte